sábado, 13 de novembro de 2010

Gente de bem... na Katedral

Entre gente boa,nova e velha,ídolos e nem tanto,mas sempre uma enorme reunião a condizer com o clube,ou clubes em questão,mas em  uníssono - Glorioso e,o slb tap...foi um destes dias...bom,muito bom mesmo!  

     Nem será preciso grandes apresentações para dar a conhecer os convidados destas mesas redondas onde me incluo. Mas não vou deixar de fazer um reparo em duas destas porsenalidades, o primo Vítor Martins e, o pequeno grande génio Jan Jan,um e outro admiro por razões diferentes,mas tão iguais.


- O Vítor Martins fez parte do meu imaginário enquanto adolescente e grande benfiquista. À época vê-lo jogar e distribuir jogo no meio campo do glorioso e selecção nacional era um regalo para a vista dos apaixonados da redondinha, não fugindo eu à regra. Foi à muitos anos que tal aconteceu, há tantos que já só tenho uma ténue lembrança do dia em que se lesionou gravemente e pôs fim prematuro a uma carreira que se adivinhava fantástica, estando no seu apogeu , e com muito para dar ao futebol. Quis o destino que assim não fosse, e contra tais factos não há argumentos que valham para dar a volta por cima, foi o caso.Foi-se o jogador, mas ficou em toda a plenitude e bondade o homem, o homem do futebol, o tal que não precisando mais que o grande círculo, enchia todo o campo de magia na arte de bem jogar futebol. E de tal modo ficou, que ainda hoje em ocasiões diversas, particularmente as que implicam a festa do desporto rei, a sua presença não é dispensada.

- É com muito orgulho que te conheço, Vítor,e mais orgulho ainda fazer parte da tua família, pois o tal destino que te virou costas em momento tão crucial da tua vida e carreira, resolveu mais tarde dar-me a possibilidade de tal acontecer, e dois Vítor’s é coisa que se preze!

-O Jan,ao que conta em tempos idos e longiquos,também tentou a sua sorte de ser astro nas quatro linhas, e por ser mesmo só quatro linhas nem todos tiveram o privilégio de provar o doce sabor da glória, não que não o merecessem, mas por não caberem todos. Novamente coisas do destino, digo eu!

Mas também aqui e pelas razões já apontadas, o jogador não singrou, ficando pela vida fora um enorme em corpo pequeno mobilizador de gentes de todos os quadrantes para tudo o que diga respeito à paixão da sua, nossa, minha vida, o grande Glorioso.

- Se fosses futebolista na mesma e justa medida em que acarretas com enorme êxito a responsabilidade de aos quatro cantos do mundo levares a mensagem da águia ao peito, terias sido um grande talento, à altura do pequeno grande Vítor. E também aqui se prova que os homens não se medem aos palmos. Dois pequenos grandes artistas, com um enorme fervor benfiquista, e um não menos coração vermelho.

                                         

9 comentários:

J.Filipe disse...

Reuniões desse quilate,e eu na santa igonarância.Não te vou perdoar se na próxima ocasião não fõr avisado.Privar de perto com todas essas glórias,vai ser o máximo,assim tu me convides.

Um abraço

Ana Paula Barros disse...

Á grande GAROUPA eras cá de uma fibra,que saudades eu tenho de quando te ía ver jogar,com a minha prima isto em tempos que vós ainda eram solteiros, e lá ía.Dei-me e partilhava com grandes nomes Néné, Simões, Bento,Humberto Coelho e outros tantos,o tempo não volta a trás,mas o que passou foi bom e isso é que é importante.

Lala disse...

Sabe sempre tão bem quando somos reconhecidos pelos amigos. ou por outra qualquer pessoa que não conhecemos de lado nenhum, mas a quem agradamos através e quase exclusivamente, através das letras que escrevemos. Também tu, amigo Vitor, pelas visitas que faço a este lado e pelas que recebo d'O Outro Lado" foste reconhecido pela "sopa"... ;)! Aquela minha panela fervilha de cada ves que alguém lhe levanta a tampa e tu tens lá um presentinho!

Beijinhos**

Lala disse...

ops... deixei ali uns erros! ;))

Anónimo disse...

Vítor,mais uma vez particularizas-te um familiar em paralelo com um amigo,caracteristica que não sendo muito vulgar não deixa de ser relevante na forma como o fazes.
Diria que também gostava de um dia ter um post escrito por ti,seria sinal que também sou razão e pretexto para alguma inspiração tua.

B.A.

- disse...

Mano, só uma palavra, define tudo!
Amizade
Palavra digna do sentimento genuino que tu nutres por quem a merece...
É bom sentir-me no meio da palavra, no meio de tantos amigos.
Tu mereces
Abraço forte do amigo e irmão...Carlos

pekenasutopias disse...

Caramba, Vítor... eu sou mesmo muito ignorante nesta coisa de figuras públicas! Então se forem do futebol, ainda é pior!
Quando era pequena, aprendi a gostar da Académica - A Briosa - só porque o meu pai era fã... mas nem me recordo bem dos nomes dos jogadores...
Abraço grande e muitas comemorações como essa!

redjan disse...

Vítor ... enches-me de mimos! Quase me arrependo de te ter feito um ' chapéu ' há 25 anos atrás, numa brincadeira em Vila Franca que acabou numa almoçarada no Vary. E onde cheguei com um amigo na terra - Ceitil - e saí com dois.

Vitor disse...

...E por isso mesmo,amigo,deixei que me fizesses o tal "chapéu",porque percebi que iria ter um amigo para a vida,porque doutro modo defenderia a bola com a maior das facilidades ;-)