domingo, 29 de agosto de 2010

ASSIM ???

Não gostava nada de analisar em profundidade as coisas que escrevia. Devia ser proibido fazerem-lhe perguntas, e questionaram-no sobre o que bem lhe aprovia quando escrevia. As suas escritas são para pessoas as interpretarem a seu bel-prazer.posso dizer o mais possível sobre certas pessoas ou factos, mas não gosto de desmontar um conto ou história, porque nem eu próprio as analiso, limito-me a escrevê-las, quase sem as pensar, que é como quem diz:”Nem as penso”…compete-vos a vós, interpretá-las como quiserem, mas não me chateiem com essas merdas da ética. Porque se assim fosse destruiria a aura e mistério, se é que ele existe, nas porras que na real gana me dá de escrever. Era o que faltava ter que dar satisfações a alguns energúmenos dos vernáculos que passo de pensamento para a escrita.vão-se catar os que de mim esperam tal coisa. Detesto fazer tal coisa, dar satisfações! Assim pensava ele.Quem? Não sei! Quem vocês quiserem!


Algumas pessoas perguntam:”Porque é que escreveu esta e aquela história, que tanto melindre causa a quem lê?”Não gosto de explicar o que estava a pensar quando escrevi uma porra qualquer, porque pura e simplesmente nem eu próprio penso nisso, e como tal vão pedir explicações aos pensadores, coisa que eu não sou, nem nunca o serei. Conheço muitos que pensam que o são, e não passam de acéfalos com ideias de merda.Estou farto deles. São tão genuinamente pobres de espírito, e Ele não pode acudir a toda gente, ou não quer?...E depois vem aquelas perguntas treviais?-“O que significará isto?”-“O que significará aquilo?”-vão-se encher de pulgas!Que se lixem todos os que assim pensam!Não direi mais que um poeta decente diria, se se atrevessem a pedir-lhe que analisassem o seu trabalho. Se é isso que vêem, então é o que lá está. Interpretem como quiserem. Não há nenhuma mensagem grandiosa. Tento conjurar qualquer coisa, porque me apetece teclar, para bem dizer, ou mal pensar…assim continuava a pensar! Quem? Continuo sem saber? Perguntem aí ao lado!

Com as suas particularidades próprias existem muitas pessoas criativas. E não apenas na escrita, noutras áreas também. A isso chama-se talento, e o que não falta é gente dessa por aí. Mas não cabem cá todos, não é? Só cabem, muito poucos pelo mérito, e muitos pelo demérito de alcançarem o êxito através de cunhas e compadrios. Que porra de país este!

Ter-se talento é uma coisa, comprá-lo é outra, mas caminham lado a lado numa luta feroz e sem fronteiras e muito menos regras. Há que ter coragem e obrigá-los a engolirem as palavras:Aqui estou eu! Sou criativo! Sou maravilhoso! Tomem…"COMAM-NO!" É preciso fazer-se isto. Se há outras formas de o fazer, Desdigam-me…dizia ele! Quem? Não sei?…provavelmente um de vós!...Não?

31 comentários:

Lala disse...

eu também não penso... tenho ideias... acho eu!

bjs!

alfa disse...

...muitos nervos por aí!...bjs

- disse...

Dizer o que se pensa é purgar a alma...nem sempre são precisas explicações para o que se escreve, mas coragem essa é sempre necessário para a mensagem ser legitima e verdadeira...
Dá-lhes com força
Abraço de irmão

Maria Luisa Adães disse...

Vitor

Te deixaram abalado, poeta amigo.

Que mundo este!
Então e a liberdade de cada um?
Não se respeita?
Se fazem perguntas sem nexo.
O poeta sente e escreve, passa á frente e até esquece.

Um Livro é editado, lançado, corre o mundo e o espaço entre estrelas, galácteas, inventa continentes.
Pessoas lêm - uns gostam muito, outros nem por isso, outros não entendem.
O escritor, desconhece esses sentimentos bons ou maus.
Não dá explicações a ninguém! Escreveu! Gostou? Não gostou? Que
importa a quem escreve? Nada!
Não importa nada!

Assim se deve fazer neste mundo virtual - igual ou pior, do que o mundo real?
Mas , por favor, não abalem quem escreve!

Vitor agradeço os versos lindos que dedicaste ao meu poema "Flor do Mar".
Adorei!

Maria Luísa

Vitor disse...

Lala:Por vezes também não sei...por haver tantos donos da verdade...digo eu!

Bj*

Vitor disse...

Ana:Nada disso...calmíssimo...nervosos andam outros,sabesse lá porquê?...ou não ;-)

Bj*

Vitor disse...

Mano:sabes que eu por vezes nem as penso...pensando muito bem o que digo!

abraço

Vitor disse...

Maria Adães:Temos que de vez em quando chamar os bois pelos nomes,quer gostem ou não!
...e por raros momentos tento ser poeta? ;-)

Bj*

J.Filipe disse...

Vítor,estás com ganas,como se diz aí para os teus lados.

Abraço

pekenasutopias disse...

Muita, muita zanga, Vítor! Mas eu entendo... todos temos os nossos momentos e eu, embora muito raramente, já tive os meus momentos de zanga... é possível que ainda venha a ter alguns, sei lá... só sei que meia dúzia de palavras, no momento certo, ajudam muito mais do que possa parecer. É ou não é?
Um abraço grande!

Cesar Salgueiro disse...

Caro Vítor , tenho lido tudo que tem escrito, muitas vezes não digo nada, porque venho ler e isto parece o Vaticano, e o Amigo Vítor o PAPA , gosto duque escreve, não pense o contrário, mas sempre me senti mal, aonde todos abanam a cabeça , na vertical , por vezes é muito melhor, que façam na horizontal, sem que a forma geométrica do mesmo, altere o meu comportamento , essa é uma das formas de se ser grande, e para se ser alguma coisa.


Pobre de espírito é quem pensa que é grande, independente do seu tamanho , porque todos somos pequenos, e talvez, inversamente proporcional àquilo que pensamos.


A pergunta que qualquer um deve fazer não é o que são mas o que sou, quem escreve cria mundos na sua imaginação, não julga mal os mundos criados, esse é o papel que a imprensa portuguesa faz muito mal.

A poesia não é obra dos homens, mas das palavras, António Aleixo era analfabeto, a poesia eram as suas palavras. Ninguém tem capacidade para analizar o que faz , podemos perguntar o que fizemos, ninguém pode ou deve falar dos outros , mas apenas de si, porque esses juízos avaliam não a ética, mas a ignorância, é muito mau, se pensarmos que nós somos a razão, de um mundo imperfeito, primeiro temos de admitir os nossos defeitos, porque os temos e o mundo ganhará certamente com isso, consigo e comigo , e com todos a mudança começa em nós, não nos outros ,porque a semente somos nós...

P. Moisão disse...

"A César,o que é de César"...tem séculos esta frase...
Para o Vítor,o que é do Vítor,que muito tem de coragem no que escreve,pouco se importando com os pseudo-inteléctuais,que não raras vezes gostariam de escrever com a simplicidade com que o fazes,mas com muita substância e simbolismo.
Como diz o teu Mano "Dá-lhes com força"

Beijinho

Olga disse...

Gosto das pessoas que escrevem porque escrevem e assim sem mais nem menos com um agrupamento de palavras conseguem escrever um texto. Também gostaria de o conseguir fazer, mas infelizmente não nasci com o dom da escrita, por isso gosto de ler os outros. Beijinhos.

Vitor disse...

J.Filipe:Os ribatejanos primam por esta caracteristica...;-)))

Abraço

Vitor disse...

Maria João,nem sempre me contenho no políticamento correcto.não está em mim,essa maneira de ser.Prefiro não me esconder em frases feitas,que só revelam hipócresia e cinismo...daí!

Obrigado pela compreensão.

Bj*

Vitor disse...

Cesar Salgueiro:O amigo está à vontade para comentar o que bem quiser...está num espaço livre...aliás é o sgnificado do texto...embora faça alguma "confusão" a alguns...!!!

Abraço

Vitor disse...

P. Moisão:Quando achar por bem,dou-lhes mesmo...afinal o blogue é meu,ou não?...és sempre bem vinda por estes lados.

Bj*

Vitor disse...

Olga,qual dom?Tenho lá coisa parecida!Somente junto uma letras que transcrevem o que me vai na alma...et voilà!Não te substimes,escreve o que bem te apetecer,e estás aí...como todos nós...aliás é um prazer ler-te!

Bj*

Anónimo disse...

Como escreves, e muito bem, há por aí muitos criativos, cada um com as suas próprias particularidades, aliás típicas de quem tem talento. Depois acrescentas que neste país, nesta nossa democracia, também há espaço, demasiado espaço diria eu, para que alguns possam alcançar o êxito através de cunhas e compadrios.
Pois é, infelizmente é o que temos. Corresponde ao que todos nós criámos e diariamente aceitamos.
A culpa não é minha, não é tua, não é de ninguém em particular, mas é de quase todos. Porque aceitamos, na maioria das vezes de forma resignada e submissa, não raras vezes de forma quase obediente, que tudo se faça e que tudo se possa fazer, saindo os prevaricadores quase sempre impunes. E nós, a maioria de nós, fica calado.

PS: Nesta minha primeira (e há demasiado tempo prometida) participação, aproveito para elogiar o que aqui, neste blogue, tens feito. É com prazer que tenho lido os diversos textos, concordando com uns e discordando de outros, mas sempre, sempre, beneficiando dos sentimentos que transportas para as palavras e que partilhas com todos. Que gosto me dá perceber que, através das palavras, consegues partilhar o que te vai na alma, sem medos, sem rodeios, como só os verdadeiros criativos conseguem.
Que bom que é poder ler tantas opiniões e desabafos, livres de pressões, de medos e outros bloqueadores de talento. Que bem me sabe perceber que fazes parte dos que não ficam calados.

Longa vida para o teu blogue!

Um grande abraço,

PM

Cesar Salgueiro disse...

Não me refiro á mensagem anterior , porque já aconteceu comigo, sem querer , e pelo conteudo não me pareceu , ter esse estilo.

Mas considero o anomimato uma das maiores cobardias do homen , e nalguns espaços que derigi em tempos, com visitas que rondavam , mil visitas unicas dia (isto locais diferentes), eu cortava todas as mensagens anonimas, porque para mim é um penico aonde , se escondem pessoas que não são capazes de se assumir , e num penico eu faço aquilo que toda a gente faz e tambem vomito.Assumam-se não critiquem uma sociedade de cara tapada , por causa de sermos um povo cobarde, é que os politicos, os Bancarios e os Gestores publicos enriquecem , a culpa é NOSSA , ou não dizemos ou falamos escondodos

Vitor disse...

Pedro, quanta honra a tua visita ao meu blogue. Os comentários valem o que valem, mas o teu tem muito significado para mim, não fosses tu uma das minhas ultimas referências de como se deve estar na vida e para ela.Ficaste, ficamos amigos do coração, pois não é todos os dias que se encontra pessoas com a tua elevada estatura moral, estendendo a mão quando nós bem precisamos dela, pois o chão por vezes foge-nos debaixo dos pés, e não havendo gente de bem como tu por perto, afundávamo-nos em menos de nada.
Vai aparecendo, Pedro Moreno, os teus comentários são uma mais-valia para mim, crescendo com eles como homem, aprendendo com a tua simplicidade, e enorme competência enquanto profissional.

Grande abraço…e beijinho à S.R.

Vitor disse...

Cesar Salgueiro:Desabafe homem...desabafe!

OpálaSpirit disse...

;)

o meu lado mais verdadeiro disse...

dessidi seguir o seu conselho vitor passe no meu e veja

Vitor disse...

Estou a caminho!

Juci Barros disse...

Olha, gostei demais do que li agora e isso basta, há que se explicar? Acho que não...
Parabéns!

Vitor disse...

Juci Barros:Gostaste?Era essa a intênção.Pois então,está tudo explicado?Muito bem!

Bj*

Maria José disse...

Escrever é arte. Cada um tem a sua, de forma bem singular. O que os outros pensam, é problema dos outros. Grande abraço.

Vitor disse...

É mesmo,Maria José!

Bj*

Anónimo disse...

Escandalosamente bem demonstrado como se deve escrever sem medos,ou preconceitos..."Assim!!!"

B.A.

Vitor disse...

B.A.-Pois..."Assim"