sábado, 23 de abril de 2011

Amêndoa Amarga

…Do outro lado se cansaram do seu viver e sem mais delongas se afastaram como de lerpa se tratasse e fossem morrer. Canto seu, e no seu canto paira um encanto quão desmedido e amiúde desmentido.


Páscoa sem amêndoas quem se importa, o doce amargo de um trago de seca saliva em lábios destorcidos de tanto espanto por feitos impensados acrescidos de muita tortura em face dura, na luta desigual entre o bem e o mal.

Em barba branca se esconde e esconde o doloroso traço do bisturi em sacagem de tão arreiçado bicho que lhe consume o tino, quiçá também o destino.

Entre isto e aquilo, e mais o estranho da escuridão e solidão, palpites se dão como se de criança fosse e tivesse mole coração…-cuitadito, não morrerá do mal, do bem morrerá, por tantas em ansiedade de ocupar espaço à pouco desocupado… a luta sem igual e desigual continua em dias de esperanças poucas, outros nem tanto assim…por gente boa haver e ter em seu querer acreditar que tudo vai acalmar, a tempestade passar e a bonança voltar.

Em Santa Maria navega na esperança qual criança em sonhos seus, em homem feito ateu, que a Santa passe em seu festivo altar e não pare em encomenda de corpo seu.

Quarto vazio de menina da sua paixão, rolam as lágrimas envoltas em recordação de paredes vazias pairando a áurea de tanta emoção.



Tenho saudades de ti, e de mim também

Saudades do que não chegou até mim, parece que estive no além

Perdi o que tive à mão

Sem saber porque razão

Um dia vou saber, ou talvez não

A saudade magoa tanto

E tanto magoa, que ficamos em pranto

E sim, talvez não creias, mas amo-te tanto

Tanto te amo, que acredita, por ti daria vida

Sempre foste a razão do meu ser, só tenho olhos para ti, amor da minha vida

Estás longe, e tão perto, que me dói o coração de saudades tantas

Cresceste tão depressa, que não me deste tempo, de te dar o tempo que tanto querias

O destino não tem compaixão, de quem deixa fugir o amor do seu coração

Mas, coração meu, embora não pareça, és a minha paixão

E um dia, qual dia, havemos de viver em perfeita comunhão

Ao olhar as estrelas, pergunto-me, qual a razão?


Estava com saudades tuas, amor do meu coração!

16 comentários:

Maria Luisa Adães disse...

Vitor

Quanto amor
quanta melancolia
quanta saudade,
de um tempo que passou
rápido demais
e não volta mais!

Não retenhas teu pranto,
deixa as lágrimas caírem
formarem regatos
e conta sempre,
ela está a meu lado!...

Páscoa Feliz,

Maria luísa

Aleatoriamente disse...

Vitor querido, sinto muita profundidade nesse texto.
Muito carinho também.
Obrigada pela tua bela visita.
Passei para te desejar feliz Páscoa.

Beijo
Fernanda

Fê-blue bird disse...

Meu amigo, nem sei o que comentar estou emocionada pela dor da saudade contida no teu texto.
Um abraço apertado

Valéria Sorohan disse...

Sabe como se mata a saudade? Mira e atira. Recurso poético da melhor qualidade, certamente reconhecido pela alma.

BeijooO*

acácia rubra disse...

Boa Páscoa!

Beijo

Rute disse...

Olá Vitor, passando para desejar uma ótima páscoa , a vc e familia.
Beijos

OutrosEncantos disse...

oh Vitor, que declaração mais linda!
tão sentida!
vinha dizer-te que tinha saudades de ouvir-te os passos lá na Tarde da minha casa e desejar-te uma Páscoa muito feliz e bato de frente, a alta velocidade nesta dor brutal a sair directa de uma ferida aberta no teu coração.
belissimo texto e poema, adorei Amigo.
hoje está tanto sol e tão bonito!
que tenhas um dia muito feliz :))

beijo.

P. Moisão disse...

Envoltas em esperança te chegaram amêndoas doces também,porque as mereces...texto sofrido,nesta quadra de boas vontades,impressiona pela tisteza da dor.

Beijinho e boa páscoa

Maria José disse...

Olá amigo. Estive ausente durante a Semana Santa. Agora de volta, após a Páscoa, desejo-lhe renovação constante com muitas bênçãos em sua vida. Grande abraço.
O seu post é simplesmente lindo. Parabéns.

Bemsei disse...

Oi, tenho um MEME para ti.
BJ

Anónimo disse...

Expressões num quadro pintado de negro que se pautua pela sensibilidade de quem ama.

B.A

- disse...

Mano...
Existem sentimentos que nunca irão acabar e o teu, assin como o da tua filhota, não é excepção.
O amor de um pai por uma filha não tem principio nem fim...o contrário é que seria estranho...
Irão ter , ainda, momentos de enorme alegria, porque é assim que tem que ser.
Abraço solidário e de compreensão do teu Irmão.
Carlos

Anónimo disse...

Em várias frentes não é fácil.Agarra o touro pelos cornos como sempre o fizeste,até porque é o teu signo,quase mais um anito não é?...força!

alfa disse...

Vitor, há de factos amores que perduram para além de tudo...o de mãe ou de pai para filhos, ou o contrário, é um deles. bjs

Maria Luisa Adães disse...

Vitor

Tudo bem contigo? Há uns tempos não te encontro e talvez tu a mim.

Escrevo em prosa no:

http://premios-prosa-poetica.blogs.sapo.pt

sobre acontecimentos recentes e
homenagens a poetas ou não e aí
coloco os prémios que me vão oferecendo.

Isto para conheceres minha outra faceta, se o quiseres...(isto é um
aparte)

Uma boa semana. Beijos da amiga,

Mª. Luísa

Anónimo disse...

POOOORRRTO