quarta-feira, 12 de maio de 2010

Sem papas na língua...!!!

De branco vestido celestial,
Lá do alto do seu pedestal
Acenou às gentes,coisa banal...

Banhado na multidão
Pensando na podridão...
Que escondeu com mestria de anfitrião!

Em tempos de inquisição,
Coisa normal,na ocasião!
Morreram tantos,em aflição

Foram tantos a arder,
Em fogueiras de acender…
Em nome da fé, e do poder

Tanto cheiro nauseabundo,
Causado por corpo moribundo...
Purificado e abandonado

Dos que sofreram em silêncio...
Já não calam mais o suplicio
Ainda assim,com sacrificio...

Sentir que já nada mais resta,
O sentido das coisas morreu, numa qualquer esquina...
Sem mais força, fugiu-lhe a alma...

Calcorreou meio mundo, deixou marca, dizem...
A força da razão, suplantou os que mentem...
Mas o mundo é deles, acreditem!

Foi herói e vilão,
Talvez até charlatão!
Acreditando sempre que por uma boa razão...

Mas em vão, suspirou e quinou...
Saudades de si próprio, e de quem o amou!
Saudade deixou,pensou...

Deixou marca, dizem...
Partiu sem avisar, contradizem...
Vá-se lá acreditar em quem....

14 comentários:

Maria Luisa Adães disse...

Vitor

Recebi tuas palavras ao meu poema
"Não ouço as Vozes", deixei resposta, nos 7 degraus.

Mas para ti que tens sido um bom amigo, a uma novata no google, eu tenho e quero acompanhar-te!

"Sem papas na língua...!!!"

Vou considerar metafórico (mas não é).

Tudo se processa naquele "Pequeno, mas Rico Estado," de forma ambigua.

já acontece há séculos!

E no final ou princípio, não sei bem, estas coisas de que se fala,
aconteceram, mas foram escondidas
para não manchar a aura, dos que mandam.

Errado! Só a verdade permanece e é integra. Isso parece uma teoria, ainda não descoberta.

Todos somos culpados, quando olhamos para o lado e dizemos,

"Somos humanos" e desculpamos a culpa, "com essa desculpa".

Me parece responder de forma subtil, ao que dizes e muito bem,
nessa história triste,
"Sem papas na língua...!!!"

Obrigada por tua amizade. Não dá para esquecer!

Beijos,

Maria Luísa

APPLE disse...

Não sabia que tinha queda para a poesia ;-)
Homem dos mil ofícios, gostei!

Anónimo disse...

é como gosto das pessoas..."sem papas na língua"!Sigam-te o exemplo.

B.A.

continuando assim... disse...

gostei !! :)

bj
teresa

Cesar Salgueiro disse...

Amigo Vítor tentei decifrar, ao meu modo o seu enigma.

Assim o entendi, porque a verdade e a razão, sempre me preocuparam, e são duas coisas que quase nunca existiram, porque cada um de nós, só é dono de meia verdade.

O homem é em todos os seres vivos, o único que é mentiroso, e se a razão ,é de quem não mente, ninguém tem razão, porque todos já mentimos, não devemos ver as coisas desse modo, mas pelo conjunto de tudo o que fazemos, e depois dividimos por um coeficiente qualquer.

A pessoa é um ser único e individual, não pode ser julgado pela instituição que representa, mas pelos actos que pratica, embora que represente o todo e não o individual, e ao representá-la, assumir todos os “pecados” da mesma.

De BRANCO CELESTIAL VESTIDO, este foi o primeiro que falou na podridão, a assumiu, e disse que a mesma, devia o perdão, pelo que eles, instituição já fizeram.

Ao homem, de BRANCO CELESTIAL VESTIDO, a este, eu faço a minha vénia.

Dos que sofrem em silencio… São burros, o sentido das coisas somos nós, e a alma, é do tamanho do nosso pensamento, o mal é que por aí muito desalmado, e outros que a a alma negra.
São opções da meia verdade deles que eu tenho que respeitar

Eu acredito!

Não nas instituições, mas nos homens, e os homens é que fazem as coisas, e está, quase tudo mal feito, cabenos a nós escolher quem faça melhor, não neste caso do homen vestido de branco.

È óbvio que tenho muitos filtros, porque o homem nasce, sábio e puro, mas morre, burro e mentiroso

Tenho fé em Deus, nenhuma nas Igrejas

O mundo é perfeito demais, e ninguem escreve um livro , jogando um molho de letras ao ar ,e esperar que elas fiquem, todas ordenadas. A primeira formula H2 O, quem foi o quimico que a realizou?...

J.Filipe disse...

Com a força da razão!

Abraço

alfa disse...

Palavras sem papas. Bjs

P. Moisão disse...

Vítor,acredito piamente,que não dá para perceber como é que tanta gente ordeiramente vai venerar algo que não existe...mas respeito!

Beijinho

PizoLizo disse...

...De branco vestimos todos nós ás vezes.
Umas com razão e outras sem razão nenhuma!

Branco é a minha cor, quando te vejo, mano!

Abraço!

Anónimo disse...

Há dias em que se lê coisas de verdade!

Cesar Salgueiro disse...

O que é que existe?

Será que eu existo?

Ou serei eu fruto apenas da minha imaginação, e flutuo apenas nesse sonho de viver, que a minha imaginação criou?

Posso ser apenas isso, o fruto da minha imaginação, e nada mais existe , que apenas um sonho.

Eu faço a vénia no meu sonho, aquilo de que nele gosto de acreditar, Não me cabe o direito de saber, o que existe ou não, porque não sei.

A vida é um sonho maravilho, a minha vontade de viver , vai beber ás fontes que eu mais gosto, porque a vida é um sonho maravilhoso, mas mais para aqueles que acreditam, em coisas, que possam, ou não, existir, a negação de aceitar o desconhecido, é menos inteligente, porque se afirma, o que não sabe, e até menos saudável que o contrário, porque é muito melhor acreditar nalguma coisa que não existe, que não acreditar em coisa nenhuma.

Será que eu existo?
Ou tudo é fruto da minha imaginação ?...

Vitor disse...

Senhoras, senhores, a minha opinião vale o que vale…são convicções de quem foi católico, frequentou a catequese, e a primeira comunhão fez.mas rapidamente percebi e entendi, que debaixo do mesmo tecto em nome d’Ele se praticava tudo menos religião e fé…daí!

MANO…és o meu irmão,
Fruto da mesma união,
E nada nem ninguém nos separarão,
Nem uma simples opinião…

Beijinhos e abraços

Cesar Salgueiro disse...

Vítor, Subscrevo na totalidade, as palavras que escreveu aqui por cima, comigo aconteceu o mesmo, e não contradiz em nada, o resto.
Apenas não posso eu julgar, uma pessoa vestida de qualquer coisa, por aquilo que outros fizeram e não ele.
Mas li atentamente, e gostei de ler o que escreveu,concormo consigo muito mais duque pensa, devemos divulgar a nossa opinião,e os nossos pontos de vista,e é óptimo também que outros tenham pontos de vista diferente do nosso, e não que pensem da mesma forma que nós, se não, este sonho de viver, seria estúpido demais.
Gosto da forma come põe as coisas, mas não tenho que para isso, ter que dizer apenas sim, até porque ás vezes gosto mais, que me digam não, nem sempre óbviamente.

Ana Paula Barros disse...

Vitor,Vitor o que tu estás a partilhar connosco,não é nenhuma novidade,milhares se tem escrito acerca deste tema.

Não se trata de ter ou não ter coragem,de o dizer ou escrever,porque uma coisa que o 25 de Abril nos deu,foi LIBERDADE DE EXPRESSÃO.

Como diz o meu grande amigo,Paulo Lua...Cada vez mais nos tentamos libertar das amarras exteriores que nos poluem a mente...mas é uma dessas amarras que já integramos faz tempo...mas, deixamo-nos controlar e nos indignamos porque...inércia,facílitismo e comodismo,...talvez,então porque nos queixamos,...se estamos bem assim,...porque se fala,fala ,escreve-se mas o que se faz ZERO!

Independentemente disso,gostei do teu «Sem Papas na Língua...!!!»
Da tua esposa Ana Paula Barros.